sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Via de regra, pessoa que critica alguém porque está fazendo algo geralmente não está fazendo nada.
Visitou-me o cansaço. Tão intenso que quase me rouba a alegria de "estrear" o emprego novo. Sim... comecei a trabalhar hoje! Algo inusitado. Nunca antes tentado - não formalmente, porém muito esperado e desejado. Em compensação as intensas e ininterruptas horas ativas deixaram um rastro de fraqueza.
Preciso dormir... recuperar as energias...

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Carpe diem

Momento EMO Winehouse.
Tadinha da Cintya... XD

Cuidado com os burros motivados!

Recebi o texto abaixo pelo correio eletrônico. A ruiva mais linda e mais pirua da face da Terra me enviou: Vívian Brandão! 'Brigada, amiga...
Vale muito a pena ler!
A revista ISTO É publicou esta entrevista de Camilo Vannuchi. O entrevistado é Roberto Shinyashiki, médico psiquiatra, com Pós-Graduação em administração de empresas pela USP, consultor organizacional e conferencista de renome nacional e internacional.
'Cuidado com os burros motivados' Em 'Heróis de Verdade', o escritor combate a supervalorização das aparências, diz que falta ao Brasil competência, e não auto-estima.
ISTO É - Quem são os heróis de verdade? Roberto Shinyashiki -- Nossa sociedade ensina que, para ser uma pessoa de sucesso, você precisa ser diretor de uma multinacional, ter carro importado, viajar de primeira classe. O mundo define que poucas pessoas deram certo. Isso é uma loucura. Para cada diretor de empresa, há milhares de funcionários que não chegaram a ser gerentes. E essas pessoas são tratadas como uma multidão de fracassados. Quando olha para a própria vida, a maioria se convence de que não valeu à pena, porque não conseguiu ter o carro, nem a casa maravilhosa. Para mim, é importante que o filho da moça que trabalha na minha casa, possa se orgulhar da mãe. O mundo precisa de pessoas mais simples e transparentes. Heróis de verdade são aqueles que trabalham para realizar seus projetos de vida, e não para impressionar os outros. São pessoas que sabem pedir desculpas e admitiram que erraram. ISTO É -- O Sr. citaria exemplos? Shinyashiki -- Quando eu nasci, minha mãe era empregada doméstica e meu pai, órfão aos sete anos, empregado em uma farmácia. Morávamos em um bairro miserável em São Vicente (SP) chamado Vila Margarida. Eles são meus heróis. Conseguiram criar seus quatro filhos, que hoje estão bem. Acho lindo quando o Cafu põe uma camisa em que está escrito '100% Jardim Irene'.
É pena que a maior parte das pessoas esconda suas raízes. O resultado é um mundo vítima da depressão, doença que acomete hoje 10% da população americana. Em países como o Japão, a Suécia e a Noruega, há mais suicídio do que homicídio. Por que tanta gente se mata? Parte da culpa está na depressão das aparências, que acomete a mulher, que embora não ame mais o marido, mantém o casamento, ou o homem que passa décadas em um emprego, que não o faz se sentir realizado, mas o faz se sentir seguro. ISTO É -- Qual o resultado disso? Shinyashiki -- Paranóia e depressão cada vez mais precoce. O pai quer preparar o filho para o futuro e mete o menino em aulas de inglês, informática e mandarim. Aos nove ou dez anos a depressão aparece. A única coisa que prepara uma criança para o futuro, é ela poder ser criança. Com a desculpa de prepará-los para o futuro, os malucos dos pais estão roubando a infância dos filhos. Essas crianças serão adultos inseguros e terão discursos hipócritas. Aliás, a hipocrisia já predomina no mundo corporativo. ISTO É - Por quê? Shinyashiki -- O mundo corporativo virou um mundo de faz-de-conta, a começar pelo processo de recrutamento. É contratado o sujeito com mais marketing pessoal. As corporações valorizam mais a auto-estima do que a competência. Sou presidente da Editora Gente e entrevistei uma moça que respondia todas as minhas perguntas com uma ou duas palavras. Disse que ela não parecia demonstrar interesse. Ela me respondeu estar muito interessada, mas como falava pouco, pediu que eu pesasse o desempenho dela, e não a conversa. Até porque ela era candidata a um emprego na contabilidade, e não de relações públicas. Contratei-a na hora. Num processo clássico de seleção, ela não passaria da primeira etapa. ISTO É -- Há um script estabelecido? Shinyashiki -- Sim. Quer ver uma pergunta estúpida feita por um presidente de multinacional no programa 'O Aprendiz'? - Qual é seu defeito? Todos respondem que o defeito é não pensar na vida pessoal: - Eu mergulho de cabeça na empresa. Preciso aprender a relaxar. É exatamente o que o Chefe quer escutar. Por que você acha que nunca alguém respondeu ser desorganizado ou esquecido? É contratado quem é bom em conversar, em fingir. Da mesma forma, na maioria das vezes, são promovidos aqueles que fazem o jogo do poder. O vice-presidente de uma as maiores empresas do planeta me disse: 'Sabe, Roberto, ninguém chega à vice-presidência sem mentir'. Isso significa que quem fala a verdade não chega a diretor! ISTO É -- Temos um modelo de gestão que premia pessoas mal preparadas? Shinyashiki -- Ele cria pessoas arrogantes, que não têm a humildade de se preparar, que não têm capacidade de ler um livro até o fim e não se preocupam com o conhecimento. Muitas equipes precisam de motivação, mas o maior problema no Brasil é competência. Cuidado com os burros motivados. Há muita gente motivada fazendo besteira. Não adianta você assumir uma função, para a qual não está preparado. Fui cirurgião e me orgulho de nunca um paciente ter morrido na minha mão. Mas tenho a humildade de reconhecer que isso nunca aconteceu graças a meus chefes, que foram sábios em não me dar um caso, para o qual eu não estava preparado. Hoje, o garoto sai da faculdade achando que sabe fazer uma neurocirurgia. O Brasil se tornou incompetente e não acordou para isso. ISTO É -- Está sobrando auto-estima? Shinyashiki -- Falta às pessoas a verdadeira auto-estima. Se eu preciso que os outros digam que sou o melhor, minha auto-estima está baixa. Antes, o ter conseguia substituir o ser. O cara mal-educado dava uma gorjeta alta para conquistar o respeito do garçom. Hoje, como as pessoas não conseguem nem ser, nem ter, o objetivo de vida se tornou parecer. As pessoas parecem que sabem, parece que fazem, parece que acreditam. E poucos são humildes para confessar que não sabem. Há muitas mulheres solitárias no Brasil, que preferem dizer que é melhor assim. Embora a auto-estima esteja baixa, fazem pose de que está tudo bem. ISTO É -- Por que nos deixamos levar por essa necessidade de sermos perfeitos em tudo e de valorizar a aparência? Shinyashiki -- Isso vem do vazio que sentimos. A gente continua valorizando os heróis. Quem vai salvar o Brasil? O Lula. Quem vai salvar o time? O técnico. Quem vai salvar meu casamento? O terapeuta. O problema é que eles não vão salvar nada! Tive um professor de filosofia que dizia: 'Quando você quiser entender a essência do ser
humano, imagine a rainha Elizabeth com uma crise de diarréia durante um jantar no Palácio de Buckingham'. Pode parecer incrível, mas a rainha Elizabeth também tem diarréia. Ela certamente já teve dor de dente, já chorou de tristeza, já fez coisas que não deram certo. A gente tem de parar de procurar super-heróis, porque se o super-herói não segura a onda, todo mundo o considera um fracassado. ISTO É -- O conceito muda quando a expectativa não se comprova? Shinyashiki -- Exatamente.. A gente não é super-herói nem superfracassado. A gente acerta, erra, tem dias de alegria e dias de tristeza. Não há nada de errado nisso. Hoje, as pessoas estão questionando o Lula, em parte porque acreditavam que ele fosse mudar suas vidas e se decepcionaram. A crise será positiva se elas entenderem que a responsabilidade pela própria vida é delas. ISTO É -- Muitas pessoas acham que é fácil para o Roberto Shinyashiki dizer essas coisas, já que ele é bem-sucedido. O senhor tem defeitos? Shinyashiki -- Tenho minhas angústias e inseguranças. Mas aceitá-las faz minha vida fluir facilmente. Há várias coisas que eu queria e não consegui. Jogar na Seleção Brasileira, tocar nos Beatles (risos). Meu filho mais velho nasceu com uma doença cerebral e hoje tem 25 anos. Com uma criança especial, eu aprendi que, ou eu a amo do jeito que ela é, ou vou massacrá-la o resto da vida para ser o filho que eu gostaria que fosse. Quando olho para trás, vejo que 60% das coisas que fiz deram certo. O resto foram apostas e erros. Dia desses apostei na edição de um livro, que não deu certo. Um amigão me perguntou:
'Quem decidiu publicar esse livro?' Eu respondi que tinha sido eu. O erro foi meu. Não preciso mentir. ISTO É - Como as pessoas podem se livrar dessa tirania da aparência? Shinyashiki -- O primeiro passo é pensar nas coisas que fazem as pessoas cederem a essa tirania e tentar evitá-las. São três fraquezas: A primeira é precisar de aplauso, a segunda é precisar se sentir amada e a terceira é buscar segurança. Os Beatles foram recusados por gravadoras e nem por isso desistiram. Hoje, o erro das escolas de música é definir o estilo do aluno. Elas ensinam a tocar como o Steve Vai, o B. B. King ou o Keith Richards. Os MBAs têm o mesmo problema: ensinam os alunos a serem covers do Bill Gates. O que as escolas deveriam fazer é ajudar o aluno a desenvolver suas próprias potencialidades. ISTO É -- Muitas pessoas têm buscado sonhos que não são seus? Shinyashiki -- A sociedade quer definir o que é certo. São quatro loucuras da sociedade.. A primeira é instituir que todos têm de ter sucesso, como se eles não tivessem significados individuais. A segunda loucura é: você tem de estar feliz todos os dias. A terceira é: você tem que comprar tudo o que puder. O resultado é esse consumismo absurdo. Por fim, a quarta loucura: você tem de fazer as coisas do jeito certo.
Jeito certo não existe. Não há um caminho único para se fazer as coisas. As metas são interessantes para o sucesso, mas não para a felicidade. Felicidade não é uma meta, mas um estado de espírito. Tem gente que diz que não será feliz, enquanto não casar, enquanto outros se dizem infelizes justamente por causa do casamento. Você pode ser feliz tomando sorvete, ficando em casa com a família ou com amigos verdadeiros, levando os filhos para brincar ou indo à praia ou ao cinema.. Quando era recém-formado em São Paulo, trabalhei em um hospital de pacientes terminais. Todos os dias morriam nove ou dez pacientes. Eu sempre procurei conversar com eles na hora da morte. A maior parte pega o médico pela camisa e diz: 'Doutor, não me deixe morrer. Eu me sacrifiquei à vida inteira, agora eu quero aproveitá-la e ser feliz'. Eu sentia uma dor enorme por não poder fazer nada.
Ali eu aprendi que a felicidade é feita de coisas pequenas. Ninguém na hora da morte diz se arrepender por não ter aplicado o dinheiro em imóveis ou ações, mas sim de ter esperado muito tempo ou perdido várias oportunidades para aproveitar a vida.
***Forte isso, cara!!!

Dificuldades de uma blogueira inexperiente

Olha só... eu não tenho muita intimidade com os HTMLs da vida nem com o Twitter, FlicR, Templates e toda essaa parafernália bloguística. Eu escrevo e só!
Daí a Raffa me indica pra receber um meme (nem sabia direito o que era isso, tive que consultar o "Tio" Google - rs)... Passei sufoco!
Eu não acompanho o blog de tanta gente assim... A Raffa indicou alguns que eu certamente indicaria - e eu não sabia que podia repetir blog indicado! Foi um garimpo completar a lista!!! A menos que eu mandasse pro blog da Israel Defense Force, mas acho que eles não aceitariam o "selinho"!!! hihihi
Mais uma vez obrigada Rafaela (http://naoqueriamesmo.blogspot.com) e Kézia (http://euassimassimeu.blogspot.com) pela indicação.
=*

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Primeiro meme

Ok, a Rafa (http://naoqueriamesmo.blogspot.com/) me presenteou com o selinho e eu saí pulando pela sala, feliz da vida sem nem saber direito o que significa receber um meme!
Fui procurar saber é claro, porque "estar" ignorante sobre determinado assunto é uma coisa... "ser" burra e não procurar saber é outra bem diferente (e não é o meu caso). rs
As regras:
1 - Exibir o selinho do Blog Olha que maneiro!
2 - Postar o link do blog pelo qual foi indicado. 3 - Indicar e comunicar 10 blogs da sua preferência. 4 - Publique as regras. 5- Confira se os blogs indicados cumpriram as regras. 6 - Envie sua foto ou de um(a) amigo(a) para olhaquemaneiro@gmail.com juntamente com os 10 links dos blogs indicados para verificação. Caso os blogs tenham repassado o selo e as regras corretamente, dentro de alguns dias você receberá uma caricatura em P&B. 7 - Só está valendo se todas as regras acima forem seguidas! Os 10 mais(!):
  1. http://nadaapos.blogspot.com/
  2. http://nunoviu.blogspot.com/
  3. http://juhsullyvan.blogspot.com/
  4. http://danydevaneios.blogspot.com/
  5. http://sobresss.blogspot.com/
  6. http://palavras-emomentos.blogspot.com/
  7. http://wendellmartins.blogspot.com/
  8. http://marypura.blogspot.com/
  9. http://espelhodaalma.zip.net/
  10. http://paper-heart.zip.net/

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Via de regra o bom é inimigo do ótimo.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Dare you to move

Engraçado com as coisas são... Ouvia sempre essa música na rádio, achava linda mas não sabia sequer quem cantava. Procurando saber sobre a música, sobre a banda, descobri o Switchfoot, mais uma bandinha americana de Rock Alternativo. Dessas que fazem trilha sonora de seriados ou filmes de Hollywood, tipo Lifehouse (que tem uma música no Smallville). Switchfoot participou da trilha de As crônicas de Nárnia - Príncipe Caspian. Não me pergunte o nome da música pois não me lembro - e nem vi o filme ainda por falta de tempo.
O fato é que eu gosto desse estilo de música. Aliás, ouço tudo, sem preconceitos. Particularmente, classifico música como MÚSICA BOA e MÚSICA RUIM - independente de estilo ou ritmo. E olha que modéstia à parte, tenho um gosto musical bastante refinado... Entretanto, não me prendo aos modelos comumente empregados. Algumas pessoas têm a péssima mania de classificar (e descartar) pelo estilo, pelo ritmo. Se é forró não presta, se é brega não ouço, sertaneja nem pensar... Isso é uma maneira preconceituosa e ultrapassada de pensar!
Digo isso porque o Switchfoot, assim como o Lifehouse (ou o Casting Crowns, que eu já postei alguma coisa deles) são classificados como bandas "Gospel" - ou às vezes as pessoas ficam na dúvida se os caras são ou não 'cristãos'... Diga-se de passagem, lá na terra do Tio Sam não se faz essa diferenciação entre as bandas de Rock (ou outros estilos) Gospel. Isso é bom! Aqui no Brasil o preconceito é muito grande com relação às composições musicais ditas "religiosas". Uma pena, pois assim como em qualquer outra modalidade de música - do Clássico ao Funk do morro tem muita coisa boa e coisa muito ruim (mas ruim mesmo!!!) no Gênero! Vezenquando um "Padre Marcelo" ou um "Fábio de Melo" aparecem na TV. Mais raramente ainda Aline Barros, Fernanda Brum, Ana Paula Valadão acham espaço na telinha (e olha que essa galera vende CD a rodo!!!) mas algumas bandas MUITO BOAS (até melhores musicalmente falando do que as que a gente ouve nas rádios, tipo Skank, Jota Quest...) não acham espaço na mídia. Talvez a única que tenha rompido a barreira - pelo menos que eu saiba - foi a banda Catedral. Depois disso ninguém mais. A razão disso: PRECONCEITO! Só isso... Eu poderia citar Aeroilis, Fruto Sagrado, Virtud, Oficina G3, o próprio Rodolfo Abrantes (ex-Raimundos) e mais uma porção de bandas brasileiras de Rock ("Gospel") Alternativo que são MUITO BOAS em melodias e letras, mas que a maioria das pessoas não ouve (nem pra dizer se gosta ou não) porque tem algum tipo de reserva com relação à música dita cristã. Se ouve, ouve em casa, escondido da "galera" (fala sério que não!)... Isso sem falar nas bandas internacionais.
Esse clip do Switchfoot ("Dare you to move") mostra um garoto correndo na contramão. É mais ou menos assim que eu me sinto com relação a essas e outras coisas. Se tiver coragem, veja. Ouça. Aprecie. Goste. Deteste. Mas eu desafio você a tirar as suas próprias conclusões sobre as músicas, sobre coisas da vida, sobre as pessoas... Descartar os preconceitos, abrir a mentalidade para novas sonoridades, novos pontos de vista.
E se você não gostar, ficamos em paz. Eu me sinto no direito de continuar gostando, tá bom? E não vamos brigar por causa disso...

sábado, 24 de janeiro de 2009

C H U V A !

Voltei a pé ontem à noite novamente. Passava das 21h. De onde eu estava até a minha casa, geralmente eu gasto de 45min a 1h. Tava de "sacola" cheia (novidade...), precisando pensar, falar com Deus, ficar longe da civilização um pouco... como diriam os Beatles, era uma "Hard day's night"... E comecei a caminhada munida de disposição, vontade nenhuma de chegar cedo em casa e uma sombrinha velha da minha mãe (era a única opção que tive ao sair, algumas horas antes, olhando o céu e constatando que ia chover).
Tempo fresquinho, ventinho no rosto, nuvens carregadas (engraçado, o tempo estava aqui fora igualzinho eu estava aqui dentro)... Primeiros pinguinhos...
Logo vi adiante a linha divisória: de um lado o chuvisquinho que fazia medo a ninguém, do outro um toró daqueles! Abri a sombrinha resoluta - vou até o fim! A água caindo e eu avançando - faltava um tanto pra chegar. O primeiro que foi pro espaço foi o meu tênis, que a enxurrada alagou. Daí por diante não me importava mais com nada! Tudo era festa! Té mesmo os carros que passavam na calçada e me jogavam lama...
Foi quando eu lembrei de uma música... Rain down! Lembrei do Delirious, que eu comecei a gostar porque achava a voz do vocalista parecida com a do Bono Vox, do U2 (e eu amo U2!!!!). Lembrei de quando eles (Delirious) tocaram em Brasília há uns 2 ou 3 anos e eu fui ver - e fiquei lá cantando e pulando no meio da galera no Nilson Nelson, mesmo depois de um dia "de cão" no trabalho e na faculdade... nossa, foi me dando uma vontade... não resisti!!!! No meio da rua mesmo, do jeito que eu estava (a essa altura com 70% do corpo molhado), abri bem a bocona e cantei beeem alto:
- " Raaainnnnn doooownn!!!!!!"
Foi só o começo... Depois vieram outras do repertório, que falavam de chuva... uma após a outra e a sensação era de alma lavada quando eu cheguei em casa! Nem me importei com o aguaceiro nos pés e no resto do corpo. Tava mais leve... Coisa boa. Precisava disso: deixar chover sobre mim!!!
DO NOT SHUT THE HEAVENS!
RAIN IT DOWN ON ME!
WOOOOOW...
Via de regra as pessoas são amantes do eufemismo. Poucos suportam a verdade dita nua e crua.
Carpe diem.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Perfect!

Miss sarajevo

Engraçado como certas canções têm o poder de "transportar a gente pro passado"... Essa música me remete a um tempo em que grande parte das escolhas mais importantes da minha vida ainda não haviam sido feitas (ainda).
Incrível...

u2 & luciano pavorotti - - miss sarajevo

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Algumas razões pra escrever (n)um blog

Engraçado, cheguei da rua agorinha. Parei na frente da TV. Ôlho nela, pensamento loooonge. Nem ouvi direito quando o meu irmão disse que ia desligar o computador - em seguida perguntou se eu ia querer usar. "Ah, sim, quero sim." - foi o que respondi sem saber direito se, (pausa grave) o que eu queria era me plantar em frente à máquina ou outra coisa; na verdade eu queria mesmo era "outra coisa" mas na ausência total de definição clara do que era, me acomodei na cadeira e posicionei os dedos no teclado. Total falta do que procurar. Irritação. (mas eu já cheguei da rua sem paciência). Digitei mecanicamente o endereço do blogspot no navegador.
Putz, eu deveria ter ido dormir (já). Mas também estou se paciência para tal. Já se vão duas razões (ou motivações). O fato é que quando me dei conta estava aqui a postar. A ler. O blog já se tornou parte integrante da minha rotina (?). Comecei assim, meio tímida; não tinha mesmo a intenção de ser "lida" por ninguém. Queria ter um espaço público pra escrever. Só isso. A inspiração veio de um amor platônico (blogueiro). De tanto ler as peripécias de um dos (talvez ele seja "O"!!!) espécimes de homo sapiens mais bonitos que os meus olhos já viram, tive vontade de registrar também as minhas (in)sanidades - tem gente melhor do que eu no ramo.
Daí que em menos de 2 meses eu fui olhar a quantidade de visitantes e fiquei assombrada! É muita visita! Mas é um estímulo também... Lá se vão outras razões.
A minha maior razão para escrever talvez seja a minha intolerância com a vida, com as coisas, com as pessoas. Eu até que sou paciente, mas completamente intolerante! São duas coisas distintas... Tô sempre indgnada, resignada, revoltada com (ou contra) alguma coisa - isso é altamente inquietante, absolutamente inspirador... As situações cômicas da vida me inspiram, as comédias românticas (e as tragédias também) me inspiram, a crise, o dólar, a guerra (...) alimentam a minha imaginação transformam-se em fontes vitais de reflexões, de posts dos mais diversos. Entretanto, o combustível mais eficaz é com certeza o meu desconforto em relação ao que me parece absurdo, a sensação que me fez voltar a pé pra casa de uma distância considerável só porque algo aqui dentro gritava tão alto que as pessoas ao redor certamente poderiam ouvir: "- Isso não é justo, não está certo!!!!"
E parei aqui junto ao PC. Aqui eu posso (feitas as devidas considerações) expressar indignação! (que isso soe como um grito)... Aff.
Via de regra, tudo é muito engraçado... desde que aconteça com os outros!

I D F

Dias atrás, procurando notícias sobre o conflito na faixa de Gaza, encontrei os endereços de alguns blogs de gente de lá (tanto palestinos quanto israelenses), que registravam dia após dia os acontecimentos.
Um deles me chamou bastante a atenção, porque é nada menos do que o blog de soldados da Israel Defense Force. Passei a acompanhá-lo com um misto de pesar e de admiração. São rapazes muito jovens, relatando diariamente o desenrolar da guerra com a visão de quem está "dentro"; envolvido "até a tampa" com a causa!
Textos, fotos, mapas, vídeos...
A Internet nos proporciona um realismo impressionante. Fiquei de cara! Vale a pena dar uma olhada - até porque eles (lá) estão em um momento de trégua (tomara que continue assim...).
Shalom

F O C O

Lendo as últimas atualizações dos blogs que acompanho, me deparei com uma lista de citações do "cabeção-mor" da Apple. Uma em especial me chamou a atenção. Segue abaixo.
As outras você pode ler em http://nunoviu.blogspot.com/. "La gente piensa que enfocarse significa decir a aquello en lo que te enfocas, pero no es así. Significa decir no a otras cientos de ideas buenas que hay".
***STEVE JOBS, sobre sua postura na Apple.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Odeio cigarro!

Sampa 2008 - Penúltimo capítulo

Bem, bem, bem... Prometo que antes de 2009 terminar, finalizo a narrativa da minha (1ª) viagem a São Paulo.
Era sábado de manhã. Último dia de Convenção. Acordamos bem cedo e fomos (Cynthia e eu) procurar uma padaria nas proximidades do hotel. Gostei muito do lugar. Antes de viajarmos, lembrei das recomendações do pai dela sobre "ter cuidado", não facilitar com os nossos pertences pessoais... Lenda. Não senti em Sampa nenhuma aura de "violência" como se vê nos noticiários... vi muita gente trabalhadora, gente apressada, não se presta muito atenção nas pessoas à sua volta - a movimentação de pessoas indo e vindo em todos os lugares, em todas as direções é muito grande. E quanta gente bonita! O povo tem pinta de trabalhador mas não tem cara de miserável. Basta comparar com a massa de gente que circula na rodoviária de Brasília!!!
Mas voltemos ao café da manhã: a gente passa meio mal comendo coisa de Shopping e de mercado! Neste dia decidimos seguir uma dieta o mais parecida possível com a que seguimos em nossas respectivas casas. Achamos um lugar bem legal. Foi bom comer bem e gastar pouco! Coisas normais: café com leite, pão fresquinho com manteiga - um verdadeiro néctar dos deuses!!!
Decidimos também ir a pé do hotel até o local da Convenção pra conhecer melhor o lugar. Uns 20 ou 30 minutos de caminhada. Pude ver de perto o Memorial da América Latina, com os traços incomparáveis de Niemeyer - quem está acostumado com Brasília, se sente indescritivelmente em casa! E o trânsito! Cara, que coisa doida! Até que nem tinha congestionamento (não vi nenhum) mas é tudo bem diferente do que a gente está acostumado; não dá pra vacilar no semáforo ou nas calçadas - senão é atropelamento na certa.
À tarde, aconteceriam algumas oficinas das quais eu gostaria muito de ter participado, além de estar com uma vontade imensa de ir ao Playcenter - que ficava muuuuuito perto de onde estávamos (só Deus sabe o quanto eu gosto de Parque de Diversões!!!). Mas me rendi ao itinerário do grupo, que iria novamente ao Centro da cidade fazer compras na 25 de março. Ai!
Passamos pelo Brás e enquanto o pessoal procurava algum lugar pra comer alguma comidinha exótica, eu desejava ardentemente um prato de arroz com feijão!!!! Achamos uma churrascaria com self-service de comida caseira! Aleluia!!!! Eu comeria comida de verdade pela primeira vez em três dias!!!! Muito bom colocar no prato arroz branquinho, feijoada, pedacinho de carne, salada, salada, salada! Suco de laranja... Saudadezinha de casa... Tava cheio de turistas angolanos almoçando por lá. E eu - um olho no prato e outro naquelas mulheres com aquelas roupas coloridas tentando manter as crianças sentadas à mesa enquanto comiam. Cenas mui curiosas.
Depois do almoço, outra (longa) caminhada. Meio que perdemos a hora e quase nos perdemos na hora de voltar. Hotel - Shopping pra jantar - e Convenção. Era o encerramento. Chegamos bem atrasados e ainda por cima acabou tudo bem tarde. Eu tava morta de cansaço! Precisando dormir no mínimo umas 12 horas pra compensar o gasto de energia. No outro dia voltaríamos... Mas isso eu conto no próximo capítulo - o capítulo final.
*** Fotos do Memorial da América Latina.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

T R É G U A

"cessar-fogo de uma semana na Faixa de Gaza" - afirmou um porta-voz da Jihad Islâmica.

sábado, 17 de janeiro de 2009

D E C E P Ç Ã O

Demorei um monte para reconhecer a estranha visitante... Confundi com tristeza, com melancolia, com saudosismo. Não era.
Comparei as sensações, confrontei as circunstâncias.
Era pura decepção mesmo. De origem externa. Veio por um descuido meu. Droga! Poderia ter evitado... Bastava não ter ignorado os sinais. Mas eu e essa mania de agir de "boa fé"!!!
BURRA eu!!! E decepcionada.
Via de regra, as pessoas ouvem para responder...
e não para compreender.

C A R E T A !!!!!!

- Você é muito CARETA! (foi o que disseram)
Mais tarde em casa, na frente do espelho, repeti algumas vezes pra mim mesma só pra ver... "careta", "careta", "careta"... - Sou mesmo... aff! (foi a conclusão)
Daí me ocorreu algo interessante...lembrei de outra palavra que aparentemente não tem muito a ver: CARÁTER.Gostei da lembrança. Isso eu tenho mesmo. Se a minha caretice expressa firmeza nas minhas convicções, então isso é bastante louvável! Fiquei feliz comigo.
Conviver com outros seres humanos não é tarefa muito fácil para mim. Constantemente sou assolada com um sentimento de inadequação terrível. Não me encaixo em grupos, em tribos, em partidos, em rótulos, em classes... não tenho uma pátria, um lugar seguro, uma palavra séria que me defina; me entristeço facilmente com atitudes imaturas (e inconsequentes) das pessoas ao meu redor. Não são raros os momentos (torturantes) de perplexidade e resignação frente às insanidades cometidas pelos seres humanos à minha volta (e pelos que não estão tão perto assim)...
Sim, eu sou extremamente CARETA* (!), se isso quer dizer que:
  • não ajo tendo em vista unicamente os MEUS interesses e necessidades;
  • acredito que as pessoas não são "descartáveis", e que AMOR não acontece desacompanhado de entrega, de sacrifício, de COMPROMISSO - não só nos relacionamentos homem-mulher, mas vale para as relações familiares, amizades, profissão...
  • e que LIBERDADE sem RESPONSABILIDADE está mais para libertinagem, uma mera ilusão criada pelo nosso ego - que dá uma falsa impressão de prazer e realização no começo mas não dura tempo suficiente pra tirar uma lição qualquer que valha viver a vida de maneira mais digna, mais íntegra...
  • falar a VERDADE é melhor que mentir. SEMPRE...
  • (...)

Careta, careta, careta... a palavra não me sai da cabeça.

Uma vez, o meu chefe (na época) disse que confiava em mim porque eu era uma menina sensata. Isso tem pra quase dez anos. A frase nunca saiu da minha cabeça. Hoje, sempre que me encontro em apuros (não são raras as vezes) lembro ele expressando sua opinião.
C-A-R-E-T-A. Não vai sai mais da mente. É isso mesmo. Eu sou.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

A razão fala mais alto...

Toca o telefone. Jamais pensou que ligaria.
(...)
- Mas então, e vc? Tá com alguém?
- "Com alguém"? Como assim? Não entendi...
- Como alguém, ora! Tipo, namorando...
- Ah... Não. Tô namorando não... (...) Por quê?
- Porque... tava aqui pensando, a gente poderia... sei lá: SAIR.
- Não... A gente NÃO poderia.
- Mas veja bem, eu não estou pedindo pra vc "ficar comigo"!
- Mas a gente não pode. Nem uma coisa nem outra...
- Então tá bom...
(...)
- Mas... Você... Ainda está trabalhando naquele mesmo lugar?
- Sim, sim. estou...
(...)
Longa conversa.
(...)
Amenidades..
(...)
Ele também sabe que não daria certo. Amigos demais...

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Uma das minhas preferidas... Muuuuuito boa!!!

D E S E R T O

XXIV
Estávamos no oitavo dia de minha pane. Justamente quando bebia a última gota de minha provisão de água, foi que ouvi a história do vendedor. - Ah! disse eu ao principezinho, são bem bonitas as tuas lembranças, mas eu não consertei ainda meu avião, não tenho mais nada para beber, e eu seria feliz, eu também, se pudesse ir caminhando passo a passo, mãos no bolso, na direção de uma fonte! - Minha amiga raposa me disse... - Meu caro, não se trata mais de raposa! - Por quê? - Porque vamos morrer de sede... Ele não compreendeu o meu raciocínio, e respondeu: - É bom ter tido um amigo, mesmo se a gente vai morrer. Eu estou muito contente de ter tido a raposa por amiga... - Não avalia o perigo, disse eu. Não tem nunca fome ou sede. Um raio de sol lhe basta... Mas ele me olhou e respondeu ao que eu pensava: - Tenho sede também... procuremos um poço... - Eu fiz um gesto de desânimo: é absurdo procurar um poço ao acaso, na imensidão do deserto. No entanto, pusemo-nos a caminho. Já tínhamos andado horas em silêncio quando a noite caiu e as estrelas começaram a brilhar. Eu as via como em sonho, porque tinha um pouco de febre, por causa da sede. As palavras do principezinho dançavam-me na memória: - Tu tens sede também? perguntei-lhe. Mas não respondeu à minha pergunta. Disse apenas: - A água pode ser boa para o coração... Não compreendi sua resposta e calei-me... Eu bem sabia que não adiantava interrogá-lo. Ele estava cansado. Sentou-se. Sentei-me junto dele. E, após um silêncio, disse ainda: - As estrelas são belas por causa de uma flor que não se vê... Eu respondi "é mesmo" e fitei, sem falar, a ondulação da areia enluarada. - O deserto é belo, acrescentou... E era verdade. Eu sempre amei o deserto. A gente se senta numa duna de areia. Não se vê nada. Não se escuta nada. E no entanto, no silêncio, alguma coisa irradia...
O que torna belo o deserto, disse o principezinho, é que ele esconde um poço nalgum lugar.
Fiquei surpreso por compreender de súbito essa misteriosa irradiação da areia. Quando eu era pequeno, habitava uma casa antiga, e diziam as lendas que ali fora enterrado um tesouro. Ninguém, é claro, o conseguira descobrir, nem talvez mesmo o procurou. Mas ele encantava a casa toda. Minha casa escondia um tesouro no fundo do coração... - Quer se trate de casa, das estrelas ou do deserto, disse eu ao principezinho, o que faz sua beleza é invisível! - Estou contente, disse ele, que estejas de acordo com a raposa. Como o principezinho adormecesse, tomei-o nos braços e prossegui a caminhada. Eu estava comovido. Tinha a impressão de carregar um frágil tesouro. Parecia-me mesmo não haver na Terra nada mais frágil. Considerava, à luz da lua, a fronte pálida, os olhos fechados, as mechas de cabelo que tremiam ao vento. E eu pensava: o que eu vejo não é mais que uma casca. O mais importante é invisível... Como seus lábios entreabertos esboçassem um sorriso, pensei ainda: "O que tanto me comove nesse príncipe adormecido é sua fidelidade a uma flor; é a imagem de uma rosa que brilha nele como a chama de uma lâmpada, mesmo quando dorme..." Eu o pressentia então mais frágil ainda. É preciso proteger as lâmpadas com cuidado: um sopro as pode apagar... E, caminhando assim, eu descobri o poço. O dia estava raiando.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Ouvindo vozes

preciso ouvir uma voz que faça sentido no meio dessa loucura
e são tantos os palpites e os conselheiros...
e os prognósticos e os "chutadores"
e tantos outros falantes
preciso reconhecer
e ouvir
.
.
.
...
a voz da verdade

Zion está triste...

Zion perdeu um pouco do brilho. Está de luto. Nem bem sabe dizer ao certo o que perdeu mas sente que algo faz falta...
Está só... Não que isso seja novidade, pois Zion enxerga adiante (triste carga essa) e consegue antever as tempestades antes que as nuvens escuras se tornem em densas gotas que chegam ao chão varrendo as palavras.
Ver adiante é como clamar no deserto: quase nunca achamos quem ouça, quem dê algum crédito... Mas Zion conhece o deserto como ninguém: velho amigo, companheiro de areias e sol escaldante. No deserto tudo é longe. Tudo engana. A paisagem muda rápido, ao sabor do vento. E Zion olha o céu, sente o sol queimando e nada fala. Até porque não há o que falar. Zion pela primeira vez não sabe o que fazer. Nada pode fazer (ainda que soubesse).
Zion está triste e nem sabe o porquê.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Via de regra, todo ateu (ou agnóstico, que é moda agora) é um crente (não confunda com cristão, evangélico, gospel e afins...) enrustido.

"Errata da E R R A T A*"

Ok, a entrevista com Shimon Peres não saiu em um jornal do Rio de Janeiro, e sim em um jornal Português (Expresso). Fim da polêmica! rs
Na verdade, eu sou uma pessoa extremamente distraída e nem me interessei por saber de onde raios era o jornal, já que foi o conteúdo da entrevista que me impactou bastante. A falha foi minha. Ficarei atenta às próximas postagens...
Quanto aos comentários... me renderam boas risadas! Não deletei os posts nem os coments; esses "desencontros" fazem parte da vida real e vão aparecer aqui também! Este blog prima pela naturalidade e originalidade. Sem a pretensão cega de agradar, mas consciente de que uma leitura leve e descompromissada também atrai a atenção de leitores exigentes.
Obrigada osvjor e a todos os que acompanham as minhas confissões (e confusões) através do blog.
Graaaaaaaaaaaande beijo a todos.

domingo, 11 de janeiro de 2009

E R R A T A

Quero agradecer ao nosso amigo bloguista-blogueiro OSVJOR (http://nadaapos.blogspot.com/), que comentou o post de 9 de janeiro - linkado com uma entrevista do presidente de Israel, Shimon Peres. Obrigada pela informação! É um prazer tê-lo como leitor deste blog. Volte sempre. Leia, comente, acrescente, discorde...
Segue parte do comentário: uma observação acerca da fonte da entrevista:
"(...)na verdade essa entrevista foi feita por um jornalista pro GLOBO e o Expresso publicou porque pertence ao mesmo grupo, ele não produz nada, apenas aproveita material alheio e adapta ao seu formato de jornal popular. tô falando isso só pra deixar claro que saiu num grande órgão de imprensa(...)"

sábado, 10 de janeiro de 2009

XXII
- Bom dia, disse o principezinho. - Bom dia, respondeu o guarda-chaves. - Que fazes aqui! perguntou-lhe o principezinho. - Eu divido os passageiros em blocos de mil, disse o guarda-chaves. Despacho os trens que os carregam, ora para a direita, ora para a esquerda. E um rápido iluminado, roncando como um trovão, fez tremer a cabine do guarda-chaves. - Eles estão com muita pressa, disse o principezinho. O que é que estão procurando? - Nem o homem da locomotiva sabe, disse o guarda-chaves. E trovejou, em sentido inverso, um outro rápido iluminado. - Já estão de volta? perguntou o principezinho... - Não são os mesmos, disse o guarda-chaves. É uma troca. - Não estavam contentes onde estavam? - Nunca estamos contentes onde estamos, disse o guarda-chaves. E um terceiro rápido, iluminado, trovejou. - Estão perseguindo os primeiros viajantes? perguntou o principezinho. - Não perseguem nada, disse o guarda-chaves. Estão dormindo lá dentro, ou bocejando. Só as crianças esmagam o nariz nas vidraças. - Só as crianças sabem o que procuram, disse o principezinho. Perdem tempo com uma boneca de pano, e a boneca se torna muito importante, e choram quando a gente toma... - Elas são felizes... disse o guarda-chaves.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

G U E R R A - O que você não vê na TV

"Presidente israelita em entrevista ao Expresso Shimon Peres: Líderes árabes dizem a Israel "acabem com o Hamas" Em entrevista ao Expresso, o Presidente israelita diz que há líderes árabes que apoiam a sua luta contra o Hamas. Shimon Peres assegura que Israel não quer conquistar Gaza nem ficar com os despojos da guerra, o que pretende é que os seus cidadãos vivam livremente. "No fim, o mundo irá agradecer-nos", acredita." Confira a entrevista na íntegra: http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/490873

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Vale a pena ouvir...

Sim, sim... é o Cortez, repórter do CQC!!!
Meu alterego...

Canto della Terra

Visitou-me a MELANCOLIA. Uma tristeza(zinha) indesejável que roubou-me a esperança. Veio assim tornando tudo em cinza ao meu redor. De repente assim, as coisas perderam a graça, a cor, o brilho... Foram-se embora com o Sol. Daí anoiteceu e a escuridão envolveu o que era cinza. Dava pra tatear a densa camada negra que cobria os móveis, as pessoas, o chão e o teto.
Cedo já terá ido embora. Não suporta a luz.
***P.S.: A letra da música
não tem necessariamente a ver com o conteúdo
do post; só a melodia.
Via de regra,
toda unanimidade é BURRA!

Contravenção Penal, by (futuro) Dr. Erik Bastos

Bem, bem bem...
Dias atrás relatei um fato ocorrido enquanto voltava pra casa numa noite de sábado: uma senhorita jogou um papelzinho pela janela da van...
Entaum... Gentilmente, o meu amigo (e brother), Erikinho - (futuro D. Erik Bastos), jurista enviou-me por e-mail uma contribuição bastante relevante...
Sim, meu caro! Saciaste a minha vontadezinha ínfima de entender das Leis!!! Obrigadíssima!!!
Então, caros leitores, da próxima vez que alguém fizer uma "feiura" dessas perto de vocês...
(segue texto, na íntegra, enviado pelo jurista supracitado):
"Vivizinha querida...
É movido por um enorme espírito de justiça que acredito que todo “Aplicador do Direito” deve ter que decidi lhe oferecer minha humilde ajuda, e olha que esse é o período que programo minha mente para hibernar. (rsrs) Mas vamos ao que realmente interessa. A garota citada em seu texto cometeu 2 (dois) tremendos erros. O primeiro foi ter jogado lixo na rua e ainda buscar desculpas para tal erro, vez que toda pessoa sabe que jogar lixo na rua é uma imensa falta de educação e respeito com os que trabalham na limpeza de nossa cidade e com nosso meio ambiente. O segundo erro foi dizer que “não havia nenhuma cláusula do Direito Penal, Processual, Civil (...) que a proibisse de jogar lixo nas ruas” (tadinha! Isso nos faz ver que ela não entende do assunto e que se limita a repetir o que ouve em cursinhos...) E foi com o desejo de não cometer o mesmo erro de DIZER O QUE NÃO SE SABE que fui à busca da regra que pudesse ser aplicada ao fato. O fato tipifica uma CONTRAVENÇÃO PENAL, vou explicar de forma simples o que é uma Contravenção Penal. Bem, Contravenção Penal é VULGARMENTE conhecido como “CRIME ANÃO” (não é um crime cometido por um anão heinn... rsrs), e PROCESSUALMENTE conhecido como “CRIME DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO”, tem os mesmos pressupostos de um Crime descrito no Código Penal que é: Fato Típico (o fato ocorrido esta descrito em lei) e Ilícito (o ato praticado vai contra a lei), mas o que o difere de um CRIME é que a CONTRAVENÇÃO não é apenada com Detenção e Reclusão, mas apenas com MULTA e ou PRISÃO SIMPLES.
Com a explicação acima vamos ao endereço e ao texto da lei.
O texto está expresso nas LEIS DE CONTRAVENÇÕES PENAIS versando sobre o fato citado no Art.37 que também descreve a pena de MULTA para o agente.
Segue o texto:
  • LCP (Lei de Contravenções Penais) Art. 37 - Arremessar ou derramar em via pública, ou em lugar de uso comum, ou de uso alheio, coisa que possa ofender, SUJAR ou molestar alguém: Pena - MULTA.
Puxa, ainda bem que nosso legislador usou o BOM SENSO e criou esta norma (devia ele ter imaginado que alguém algum dia iria jogar lixo na rua e estufar o peito para dizer que o que a lei não proíbe, ela permite); Contudo vale lembrar que ainda que a lei não proibisse, existiria uma orientação de Jesus em 1Coríntios 6:12a dizendo que “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm”. Bom, espero ter saciado sua “vontadezinha (ínfima) rsrs” de enquadrá-la num artigo ou cláusula qualquer.
E que a Cidadania, o Bom Senso a Educação, e as Orientações de Jesus passem a prevalecer em nossa sociedade".
É isso aí... Mais uma vez, obrigada Erik
pela sua contribuição e apoio a esse humilde Blog.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Sampa (parte II)

(...) Então vamos lá... voltando do aeroporto, só deu tempo de "beliscar" alguma coisinha, tomar um banho e ir pra Convenção, que começaria naquela mesma noite de quinta-feira. Na foto aqui do lado, da esquerda para a direita: Nayara (prima), Tyntinha (companheira de quarto) e eu. Estávamos no traslado hotel - evento. Deu pra perceber que tava frio né? Pois é, era um dos meus medos! Inverno em São Paulo, e eu sinto muito frio pq a minha camada adiposa não é das mais espessas... rs! Mas nem foi tanto assim. Dava pra segurar a onda numa boa.

____________________
Na primeira noite a gente não sabia onde achar nada pra comer! O Shopping já estava fechado na saída do evento, o hotel cobrava um absurdo pelos "petiscos"... A unica coisa que tinha pra comprar era um milho cozido debulhado, com margarina - que na hora da fome até que desceu legal!
Na manhã seguinte deu pra visualizar bem as possibilidades dos arredores do Espaço das Americas. Tomamos café da manhã num quiosque do lado da estação Palmeiras-Barra Funda. E eu comprei um cartão telefonico pra ligar aqui em casa. Nesse dia eu descobri algo muito especial: pessoal de São Paulo não tem dó de rechear as coisas! Pedi um café com leite e uma porção de pão de queijo. A porção era uma senhora porção!!!!!!! E passei a olhar os pães recheados com mortadela bolonha, os sanduíches de queijo, presunto e salada de tomate e alface... Gritante a diferença... Aqui em BSB vc pede uma pizza e tem que ter muita imaginação pra apreciar o sabor! É muita massa pra pouco recheio... Lá não! A gente come com fartura... Mais tarde eu conheci um tal de "churrasco grego" que me deixou pasmada. Não comi mas fiquei impressionada. Nem vou me arriscar a descrever o que era aquilo! Só indo lá no centro pra provar!!!
À tarde conheceríamos o Mercado Municipal. Eu estava muito ansiosa! Fomos em comitiva dessa vez. Metrô, outro Metrô, depois caminha, caminha, caminha... rua abaixo, rua acima... uma verdadeira maratona! Paramos em frente à Catedral de São Judas (eu acho). Uma igreja imensa. Uma praça gigantesca! E gente, e mais gente... Pasmei; parei na frente da Drogaria pra ligar em casa enquanto vislumbrava a paisagem urbana monumental. Essa cidade é coisa pra doido!!! E anda que anda, chegamos ao Mercado. Bem menor e menos glamuroso do que pensava! Mas um lugar fantástico! E gente de todo lugar, chineses, coreanos, italianos, brasileiros de várias partes do Brasil. E cheiros e gostos e cores e tamanhos... Tudo era surreal; inclusive o preço das coisas... Fiquei assustada. Mas a qualidade era boa.
Comemos um tradicional pastel de bacalhau. Caprichado no recheio - naturalmente. Com Coca-cola! Uhhhh...
Foi dando um soninho... Mas nada de voltar. Passamos o dia andando no Centro da cidade, olhando coisas, pessoas. Na volta, banho e Convenção. Que cansaço!!!! Mal tava me aguentando em pé... Descobrimos um Wal Mart pertinho do hotel. Compramos algumas frutas, biscoitos e água pra passar a noite. Foi a salvação; não tinha o menor pique pra jantar fora!
^^,

Tente ler bem rápido...

A VELHA FURUNFUNFELHA
Era uma vez um caçador
Furunfunfor, triunfunfor, misericuntor
Que foi à caça
Furunfunfaça, triunfunfaça, misericuntaça
E caçou um coelho
Furunfunfelho, triunfunfelho, misericuntelho
Então pegou o bicho
Furunfunficho, triunfunficho, misericunticho,
E levou-o à velha
Furunfufelha, triunfunfelha, misericuntelha,
E pediu:
- Velha furunfufelha, triunfunfelha, misericuntelha
Assa-me este coelho
Furunfunfelho, triunfunfelho, misericuntelho.
- Pois não – disse a velha
furunfufelha, triunfunfelha, misericuntelha.
E pegou o coelho
furunfufelho, triunfunfelho, misericuntelho
E assou no forno
Furunfunforno, triunfunforno, misericuntorno;
Mas tendo fome
Furunfunfome, triunfunfome, misericuntome
Comeu o assado
Furunfunfado, triunfunfado, misericuntado
.Quando veio o caçador
Furunfunfor, triunfunfor, misericuntor
Procurar o almoço
Furunfunfoço, triunfunfoço, misericuntoço
Perguntou assim:
- Velha furunfufelha, triunfunfelha, misericuntelha
Onde está a minha caça?
Furunfunfaça, triunfunfaça, misericuntaça?
- Ó meu senhor
Furunfunfor, triunfunfor, misericuntor!
– disse a velha -,
furunfufelha, triunfunfelha, misericuntelha
O seu coelho,
Furunfunfelho, triunfunfelho, misericuntelho
Comeu-o o gato.
Furunfunfato, triunfunfato, misericuntato.
(PINTO, Cecília Alves Pinto. O livro do trava-língua)

Animação em stop motion Lego

Weltraffer from Jesus Diaz on Vimeo. Muito legal! Eu vi no Blog do Marcelo Tas. Resolvi postar aki tb.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Mulher sofá...

__________________________________________________
"(...) depois da Samambaia, Melancia, Morango, Melão..."
Pooootz... Que maldade! rs
* Conteúdo do post by Mari Oliveira (beijomeliga!)

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

G U E R R A

"Tropas israelenses avançam sobre Gaza."
"Mortos já passam de 500..."
"Hamas pronto para batalha urbana."
CHORA ISRAEL!
**Imagem: AP photo/David Guttenfelder

E lá se vai mais um dia (ou menos um)...

Flávio Venturini - Clube da Esquina 2 Clube da Esquina ll Composição: Milton Nascimento / Lô Borges Porque se chamava moço Também se chamava estrada Viagem de ventania Nem se lembra se olhou pra trás Ao primeiro passo, asso, asso Asso, asso, asso, asso, asso, asso Porque se chamavam homens Também se chamavam sonhos E sonhos não envelhecem Em meio a tantos gases lacrimogênios Ficam calmos, calmos Calmos, calmos, calmos E lá se vai mais um dia E basta contar compasso E basta contar consigo Que a chama não tem pavio De tudo se faz canção E o coração na curva De um rio, rio, rio, rio, rio E lá se vai... mais um dia E lá se vai... mais um dia E o rio de asfalto e gente Entorna pelas ladeiras Entope o meio-fio Esquina mais de um milhão Quero ver então a gente, gente Gente, gente, gente, gente, gente

Sejam bem-vindos!

Mi casa, su casa...
 
Copyright 2009 Viviane Zion. Powered by Blogger
Blogger Templates created by Deluxe Templates
Wordpress by Wpthemescreator
Download Royalty free images without registering at Pixmac.com