quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Mudei de idéia

Pois é. Prometi que não postaria nada pessoal durante a semana mas não teve jeito. Tô numa onda de irritação, de indignação muito forte e não tenho como deixar passar... Ia postar a minha opinião a respeito do aborto mas também não estou com sacola pra defender o meu ponto de vista a respeito. Não por enquanto, não hoje nem sei até quando.
Continuo firme na posição de não votar na turma do Lula. Isso é o que não mudou. O resto? Vixxxx... Nem te conto! Ontem passei por situações que me fizeram pensar seriamente nos rumos da minha vida profissional. Seriamente... é que a semana tá sendo dureza... deve ser uma fase e vai passar, só isso (tomara). Ou então eu não enxergo as coisas direito (ou enxergo até demais na verdade). Não sei.
Hoje por exemplo, fui corrigir um texto de um aluno, de seis anos. Estava escrito: HESTASIONAMNTO. Perguntei: "O que está escrito aqui?" "Ué, tia, tá escrito: ESTACIONAMENTO!" "Ah, tá, entendi... ES-TA-CIO-NA-MEN-TO." "É, tia, você não entendeu... Deve ser porque você está sem os óculos..."
Ah, sim, os óculos! E estava mesmo... Era a falta dos óculos. O meu ponto de vista é que estava errado, a realidade é que não! Com isso eu entendi mais do que a palavra em questão, entendi muita coisa por sinal. Deixei pra lá - não adiantava argumentar nem corrigir. Fui convencida (ou deixei-me ser).

Por hora me calo. É só isso. Ou não. Acho que estou mais que indignada... triste.

domingo, 26 de setembro de 2010

Abro um parêntese pra dizer...

..
NÃO VOTO NO PT!

Democracia? Onde? Aqui mesmo é que não...
Quem me conhece sabe não gosto de política, não me envolvo nem dou palpite. Não gosto, não gosto , não gosto... é um destes assuntos que me ferem demais, que me incomodam, que não me acrescentam em nada diante de discussões acaloradas e pessoas que perdem o foco pela causa. Mas quem me conhece também sabe que eu só falo quando tenho certeza, quando o assunto me incomoda muito...
Não defendo "bandeiras". Deixei de torcer pelo time de futebol que me encantou quando criança por causa da conclusão (até que tardia) de que não é mais a paixão pela bola que motiva a rapazeada nos campos. Não acompanho mais Copa do Mundo com o mesmo entusiasmo. Deixei de frequentar a igreja (evangélica) porque me cansava muito aquela vida de programação social berrantemete distante da proposta inicial de "amor ao próximo" e "tinham tudo em comum"...
Péra-lá! Sou brasileira, cidadã, pago impostos, estou em dia com as minhas obrigações eleitorais, choro quando ouço o Hino Nacional mas... tem certas coisas que me embrulham o estômago. A campanha pirotécnica e ufanista do Partido dos Trabalhadores (?) tem me dado nojo!!! Nem tinha parado pra pensar em nada disso, tava aqui desolada, tentando garimpar um candidatozinho que salvasse o meu voto da anulação no dia 3 de outubro... pensei - e este foi o meu erro!
Dos presidenciáveis, eu votaria em uma, talvez arriscasse alguns outros mas JAMAIS votaria na candidata do PT, por várias razões. Primeiramente, a própria questão do partido mesmo, que de uns tempos pra cá descaracterizou-se completamente da sua luta inicial, dos ideais que moveram tão nobremente a fundação do mesmo e arrastaram muita gente engajada na luta política de um (bom) partido de oposição. O que é o PT hoje? Até eu, que sou ignorante de pai e mão nestes assuntos, reconheço que alguma coisa está "cheirando mal" pras bandas da turma do Lula... E depois, quem é a candidata do PT à presidência? De onde veio? Para onde vai? Que trajetória política ela deixou para trás para analisarmos até chegar ao caso (se for o caso) de escolhê-la na urna, dia 03/10??? O que defendem, com quem e com quê se comprometem os que querem exercer a autoridade política máxima aqui no nosso país???

Essa semana não vou postar mais nada pessoal. Abro um parêntese pra escrever um pouco sobre o desconforto que tem me assolado, de uns dias pra cá, com relação à situação política em tempos de eleição.

Pra começar, um vídeo. Vale a pena ver. Em seguida posto a respeito.

Shalom

Tenho outra confissão a fazer...

Tô aqui, tô viva ainda mas hoje acordei meio sem paciência. Nada demais, andei pensando em algumas coisas, levando uns "bolos" neste fim-de-semana e ficando em casa cozinhando (literalmente) no escaldo que está o Planalto Central por estes dias... Paciência.

Pra hoje, unhas azuis, cabelos vermelhos, contagem regressiva pra dia 9/10, quando viajo pro Sul (Recife e Olinda ficaram pra Janeiro, quem sabe) e FOO FIGHTERS! Gosto muito do Dave Ghrol. Muito mesmo. Ele faz bem o meu tipo (homenísticamente falando, rs) e é muito coerente como músico. É o mínimo que se espera... Nirvana fazia sucesso quando eu ainda era criança e quem sempre me impressionou mesmo foi "baterista maluco", mais do que "esperto" do Kurt Cobain, que se matou. Depois passei a acompanhar The Queens of The Stone Age e Foo Fighters com a mesma curiosidade.

Pensa comigo: esperto mesmo é quem permanece vivo pra contar a história. Por isso também que mais interessante é o Dado (Villa-Lobos) que o Renato (Russo). Enfim... Best of you, com clipe e letra, parece que conta uma parte recente da minha vida, de uns três ou quatro anos pra cá. Eu vejo e lembro - de mim. Ouço e lembro - de mim! Engraçado isso...

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Essa vai pra Carol, com cariiiiiinho!



Carolina Venturini é a loura mais enjoada que eu já conheci! Tem horas que tenho vontade de te pegar pelos cabelos e te jogar na privada (descarga em seguida, obviamente) mas o amor é ainda maior... Saudade de Tu, amiga.

Dance, dance

Dia(s) engraçado(s).
Hehe...

Essa vai:

1) Pra minha irmã, Tânia (porque a gente curtia muito os clipes do FOB assim que surgiu essa onda "emo", sem nem saber que diacho de onda era essa - e olha que eles são bem mais leves e divertidos do que a safra que invadiu as telas, as rádios e o corredores de escolas, rs atualmente). Ela que tá morando longe e fazendo uma falta imensurável... Beijo, maninha - são mais uns dias (ou menos uns). Logo estarei aí.
2) Pros campeões intergaláticos de "tiro no pé" (essa é pra rir mesmo!)... Nada não, é que andei observando algumas pessoas e coisass, e atitudes e descobri (por mim só) que maioria dos (ditos) cidadãos (respeitáveis) que eu conheço se embaralham nas próprias pernas - e caem!!! Tenho visto muita gente acertar em cheio o próprio pezinho (com tiro de 12) por causa de ações impensadas. Parabéns a todos!!! Zion agradece...
3) Pra mim mesma. Descobri que não tem "parada" ganha antes da corrida. Na hora da batalha é que a gente vê mesmo quem tem pé no chão e quem é que corre. Bendito seja Deus pelos frutos que tenho colhido ao longo do ano...

Então... DANCE, DANCE!!!!!!!!!!!!!!!


v>

sábado, 18 de setembro de 2010

Um dia...

Ouvi hoje em um blog que acompanho!
Muito tempo que não ouvia Matisyahu... Mas também eu gosto (e ouço) tanta coisa que teria que viver 1000 anos pra dar conta de realmente aproveitar tudo...

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Let it Be(atles)

De volta pro futuro

Pensando em coisas...
(...)
N'é pra entender mesmo não.
Aliás...
Pra bom entendedor,
meia palavra
é uma palavra
carecendo ser completada!

É que o dia foi longo e terminou com essa que vos escreve
comprando passagem (só de ida)
pro Sul.
.
.
.
Tô cansada, só.
Deve ser isso, rs...

Terence Trent Darby - Holdin' on to you

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Stretching cat


Tá, tá certo que eu demorei mais tempo batendo papo com as meninas do atendimento
(de propósito),
e ainda nem olhei na direção do "aquário" enquanto encenava caras e bocas
(de propósito),
sabendo que de lá onde estava não poderia saber a futilidade do assunto,
que nem era texto - era pretexto pra ficar ali exposta
em lugar estratégico, de onde podia ser vista nitidamente...

(Pausa pra rir - da situação).

Daí que eu nem contava que poucos segundos depois,
quando voltei pra outra sala,
passaria por lá
(de propósito),
se esticando todo,
espreguiçando,
só pra dar tempo
de eu dar uma olhada detalhada - e demorada.
O troco veio à altura
(da provocação).

(Pausa - outra, pra lembrar a cena e rir de novo).

E eu que já tinha (até) me esquecido como acontecem essas coisas...

domingo, 12 de setembro de 2010

Confissão

Eu tenho cá um defeito grave,
de olhar as pessoas procurando
 as qualidades - e não os defeitos!

Pobre de mim...

(Pausa)

Uma pena isso.
Uma pena...

Descanso

Hoje eu descansei. Só. E cuidei da aparência (que andava desleixada por conta dos eventos e compromissos e etc, etc). Comi bem (com direito a ser "malhada" pelo cunhado quando fui da cozinha pra sala com o nada-modesto café da manhã em mãos). Caminhei, conversei com um monte de gente, ouvi música e pensei... Pensei, pensei, pensei... Várias coisas, nenhuma preocupação ou ansiedade com relação a nada. Pensei mesmo pelo puro prazer de remoer os acontecimentos da últimas semanas, sem a pretensão de encontrar soluções, estabelecer prazos ou coisa parecida. Meu dia hoje foi uma pausa, não de vírgula nem ponto e vírgula mas ponto parágrafo. É isso. Fechei mais uma etapa (com as devidas sub-etapas), respirei fundo e amanhã começo outra. Ainda meio capenga das forças - confesso que 24 horas não fram suficientes pra colocar as forças em dia mas era o que tinha de possibilidade, já valeu.

Por hora, deixo a música que é o atual toque do meu celular: Ticket to ride. Só pra lembrar que daqui a um mês exato, hora dessas, estarei na serra gaúcha com a minha irmã.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Vingança?

Eu e ela revirando uns papeis dia desses. Num dado momento, para e pergunta:
- Viviiii...
- Fala.
- Você é uma pessoa vingativa?

Pausa.

- Sou não. Por quê?
- É porque tem horas que você me lembra a Noiva, do filme do Tarantino... rsrsrs (ela ainda ri, meu-Deus-do-céu!)
- Hehe... engraçadinha...

Pra ela me comparar com a madame do filme Kill Bill deve ter lá seu fundamento... Daí pra frente foi viagem pura, meu amigo! Entrei em outra dimensão. Realmente não sou uma pessoa vingativa, mas por que mesmo hein!????
(...)
Ah sim... Lembrei que da última vez que resolvi me vingar de alguém a sensação que veio depois foi tão ruim que não compensou a momentânea alegria e me fez prometer a mim mesma nunca mais despender energia por uma causa fútil. Lembrei que havia uma vizinhança muito bizarra no luger onde eu morava, tinha um playboy insuportável que era um boçal mas achava que fazia (algum) sucesso só porque desfilava de "carrão". Noite daquelas eu voltava pra casa de um dia intenso de trabalho, abarrotada de coisas nos braços, chovia pra caramba e mal dava conta de equilibrar o guarda-chuva, a bolsa, sacola, livros, cadernos, etc, etc...
Percebi que vinha carro atrás de mim (por causa do farol) e afastei pro canto por causa da pista molhada (explicações são dispensáveis no momento, eu acho). Tudo o que menos queria era tomar um banho de lama e... foi exatamente o que a simpatia que estava no volante (sujeito digno de uma cela 5 estrelas no Zoológico) fez: acelerou e passou bem coladinho, espirrando lama em mim e nas coisas todas que eu estava carregando. So não xinguei a criatura de "santo nem de rapadura" (haha, lembrei o Santiago agora)!!! FDPFDPFDPFDP...
Surpresa eu fiquei mesmo ao observar que o moço parou o carro exatamente algumas casas à frente e (parece) ficou esperando eu chegar mais perto - o que fiz sem cerimônia, afinal morava naquela rua e precisava (mais do que nunca) voltar pra casa. Em frente à minha casa percebi quem era., pois o sujeito desceu do carro e ficou olhando de lá de onde estava, na chuva mesmo, enquanto eu abria o portão com a maior dificuldade, toda encharcada de lama, calculando a perda total do material que trazia em mãos...
Olha, demorou um bom tempo pra eu abrandar a fúria, viu... Dias se passaram e eu quase havia esquecido. Belo dia saí com a minha irmã pra lanchar na padaria (a gente tem o costume de fazer essas coisas, sabe, quando se quer um pouco de privacidade nas conversações). Ao passar em frente à caserna do cidadão... olha! O carrão do rapaz bem ali na minha frente, recém-lavado e cheirando a xampu! Meu, foi automático: de repente o chaveiro com as chaves de casa saltaram da minha mão, parecia que estavam anunciando, relembrando a presença dele ali naquele instante mágico em que a adrenalina subiu às alturas e o sangue foi "no olho"... Olhei pra minha irmã e pras chaves, ela, claro, percebeu, sorriu de lado mas não falou nada. "Agora não - eu disse. Tem muita gente na rua. Na volta tá mais tranquilo".
Bem, bem, bem... Quem disse que eu consegui lanchar em paz, seu menino!!? Era um  comichão que subia e descia e eu queria mesmo era voltar pra casa rápido que era pra não correr risco de passar por lá e o dito-cujo ter saído com o possante e nada de eu poder fazer maldade com o carango do prêibói...
Valeu a espera! Voltamos, o carro ainda lá e a rua limpa, deserta!!! Preparei a chave e respirei bem fundo... Risquei o carro dele da traseira até a dianteira, um lado inteirinho enquanto destilei um ódiozinho que nem eu mesma sabia que existia aqui guardado. Sensação boa! Lavei a alma. Minha vontade era de deixar um recado "carinhoso" pro rapaz agradecendo aquele dia em que ele me deixou "molhadinha". (Filho da p#ta!!!!) Mas achei perigoso dele descobrir.
(...)
A sensação boa durou pouco. Foi cedendo espaço a uma vergonha muito grande, misturada com remorso e arrependimento. Dizem que quem não tem vocação pra malandragem nem adianta inventar moda, que de uma forma ou de outra, sempre que aprontar acaba se dando (muito) mal. E foi assim: fiquei mal pra caramba, dias seguidos. Pensei até em ir lá pedir desculpas pro moleque e tudo, pagar a pintura do carro e encerrar o assunto. Foi muito feio o que eu fiz. O pior que eu "sei" que um erro nunca-jamais-em-hipótese-alguma repara nem justifica outro e a sensação péssima que veio depois da feiura não compensou nem de longe a (breve) euforia de ter riscado o carro do playboyzinho da minha rua. Na falta de coragem de ir até lá reparar o dano, pus uma pedra (grande) sobre o assunto. Não tenho nenhum orgulho da minha atitude.
Uma m#rd# isso mas daí por diante eu decidi não fazer mais nada parecido nem de longe. Deixa que cada um receba o troco da vida pelo mal que fizer! Eu é que não vou fazer papel de palmatória do mundo. A troco de quê? Nunca mais fiz. Consciência anda tranquila, levinha, levinha.


Quanto ao filme: a-do-ro! Kill Bill é dos melhores filmes que já vi (considerando o 1 e o 2). Se eu pareço a Beatrix... pode até ser mas vingativa não sou não!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Por hoje, saudade

Sensação de ter as forças esvaindo. como tem sido densos (e tensos) estes dias, meu Deus! Chegou setembro e veio com ele a saudade forte de quem está longe. Saudade essa que nem dá pra curtir nem pra matar por causa das coisas todas acontecendo ao (meu) redor. Agora mesmo estou uma pilha, digitando desde que acordei, não-tão-cedo na manhã de hoje. O silêncio da casa vez ou outra é cortado por um piado de passarinho. Estou só! Fisicamente só e os sonhos todos, os planos todos, os projetos todos, as letras todas girando em torno da minha cabeça. No silêncio é que eu ouço o barulho ensurdecedor dos meus anseios, dos meus desejos e medos mais profundos gritarem em uníssono dentro e fora, pradentro e pra fora de mim...

Lembrei de há quase um ano atrás, saindo de uma prova de Concurso Público (odeio Concurso público), finalzinho de tarde, finalzinho de setembro, tarde seca e quente de primavera - não tinha começado a chover (ainda) aqui em Brasília. Caminhando à margem do Eixão, tirando fotos dos ipês amarelos que em nada combinavam com o estado de espírito triste e derrotista que eu "arrastava" naquele dia... Mais tarde eram Carol e Santiago ali comigo.

Carol como se fosse meu id, Santiago o meu superego. Eu era o meu próprio alterego. Neste dia dividimos a Coca de 600ml pra três; e não era por falta de dinheiro, era mesmo um ritual simbólico: dividir uma dor em três. Buteco de beira de esquina e o atendente ficou olhando desconfiado pra nós durante o brinde! Bebemos à vida...


O acontecido faz aniversário daqui a poucos dias e hoje já não tenho mais nem Carol nem Santiago aqui por perto. Nem a mana. Nem a dor também... engraçado como são as coisas dessa vida, como a gente superdimensiona as coisas na hora em que acontecem pra lembrar depois sem nenhum pesar (nem arrependimento). Era o que tinha que ser. Foi. E eles se foram... A dor, Carol e o Santiago pra longe de mim. E hoje bateu uma saudade tremenda dos dois (da dor e de toda a circunstãncia da época, não)!!!

Enquanto vou aqui esvaindo as minhas ideias, meus pensamentos, vou lembrando e mais lembrando, sentindo e mais sentindo saudade. Sem olhar o calendário pra não ter que ver a distância não apenas física mas temporal que nos separa.

sábado, 4 de setembro de 2010

É só o fim


Camisa de Vênus - Só o fim

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Mana tu sole!!!

Tava aqui olhando umas fotos da mana lá no Sul e sentindo saudade. Lembrei dessa música. Deu vontade danada de chorar. Mas não! É tempo de alegria... Nada como a luz do sol batendo no rosto depois de uma tempestade...

O sole mio - Pavarotti

Sejam bem-vindos!

Mi casa, su casa...
 
Copyright 2009 Viviane Zion. Powered by Blogger
Blogger Templates created by Deluxe Templates
Wordpress by Wpthemescreator
Download Royalty free images without registering at Pixmac.com