sábado, 30 de julho de 2011

"Longe"

Não sai da lista de reprodução; repete sempre como as demais músicas do CD do Marcelo Jeneci, descoberto recentemente. "Tão longe...": ilustração quase perfeita do estado de espírito (meu). Sem motivo nem razão. Longe e sem hora nem vontade pra voltar.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Horas loucas e escritas poucas...


Andei triste esses dias. Aliás, não sei bem definir o estado que me abateu: não era tristeza, era uma desvontade das coisas eu acho. Não era falta nem excesso de nada. Passei quinze dias (de férias) planejados meticulosamente para serem desfrutados "assim e assim" mas o que aconteceu não foi nada como imaginado - dormi, dormi, dormi, dormi por toda uma vida - prova mais uma vez de que planejar não dá muito certo (não para mim)... "Lá vem você com essas conversas..." - disse uma amiga, por telefone, agora há pouco enquanto eu narrava alguns acontecimentos. Quem está de fora não compreende muito bem o processo; uma coisa eu garanto: o dia em que alguma coisa normal acontecer (normalmente) por aqui vou estranhar (e desconfiar) muito!

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Boca roxa


Não, não é nenhuma chamada pra uma tendência de moda... é o triste relato do que me aconteceu sem mais nem menos hoje na hora do almoço. Estava eu, esparramada no sofá com o prato apoiado em uma mão, segurando um garfo com a outra. Com este (garfo), despedaçava o bifinho que a mamãe fez, que tava uma delícia por sinal. Assim: um olho no prato, outro na TV entre uma garfada e outra e... cara, o garfo simplesmente partiu no meio - a parte de metal com os parafusinhos e a parte de acrílico e tudo! Mas o pior foi que ao partir, a minha mão perdeu o apoio, acertou o prato que por sua vez acertou a beirada bem no meu lábio - assim, cena de filme, sem nenhum exagero. O macarrão com bife arremessado pra todo lado pela sala, sofá e todo canto foi nada perto do (meu) pavor de de repente descobrir um dente quebrado ao apalpar a arcada absolutamente desolada. OK, nada de dente quebrado. Só o lábio dolorido e o trauma por ter sido praticamente "atacada" por um talher e... putz! Na hora em que foi tomar banho, ao olhar no espelho é que me dei conta do imenso hematoma que ficou - coisa medonha! Mais um item pro rol das coisas bizarras que (só) acontecem comigo...

Magrela fever

Dá-lhe cenário musical underground brasileiro!

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Fim da linha



Vida da gente às vezes é
um caminho sem volta;
decisão tomada, fecha-se uma porta.
Agora é percorrer a longa estrada
até o nunca mais.

sábado, 16 de julho de 2011

Gosto!

*** Tenho cá uma queda por esse sotaque pernambucano! Vixx...


Tá explicado?


'Té que eu queria uma vida social mais ativa! Mas veja bem: quando observo a moçada ao redor, percebo que pra fazer parte das "panelinhas" preciso satisfazer alguns pré-requisitos:

1) ter um "peguete" ou coisa que o valha;
2) desfrutar da alegria produzida etilicamente,
3) gostar de "balada" e de "noitada".

Lascou tudo! Eu:

1) só namoro sério;
2) bebo pouco,
3) sou 100% diurna.

Muito difícil...

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Coice a granel

Tava aqui olhando as atualizações dos blogs e pensando na vida; exercitando aquilo que faço de melhor - e de pior: pensar! Cousa para quem tem vocação para essa e não-vocação para outras. Sei lá, acho que ando mais intolerante que o normal nos últimos dias. O que julguei ser estresse, cansaço, TPM, TDAH ou essas outras desculpas esfarrapadas que todo mundo usa depois de passar um tempo distribuindo patadas à torta e à direita - não era! Era a tolerância e o "buraco" que já era "mais embaixo" e que ficou pra lá de encravado no chão de uns tempos para cá.

Vejamos... esses dias eu estive estudando. Parêntese. Estabeleci um alvo em minha vida para durante o ano corrente. Simples assim: eu decidi estudar e ganhar tempo - pra só então começar a efetivamente ganhar dinheiro. Fecha parêntese. O meu problema era  sempre "saber" a coisa empiricamente ou na base do faro, do instinto - que modéstia à parte, falha pouco. A dificuldade é convencer as pessoas apenas na base no "vai por mim, que eu "sei" o que estou fazendo"... As pessoas, via de regra, não respeitam feeling, vocação - caçam logo no currículo suas construções acadêmicas (que no meu caso, o histórico escolar dos tempos de faculdade é de provocar risos em qualquer empregador: eu certamente tenho mais reprovações por faltas que os maconheiros que frequentavam os bambuzais da UnB, rs). Abafa o caso.

Aqui estou eu passando pelo constrangimento da Pós-Graduação pra ter um bendito de um certificado que me possibilite ao menos tentar tecer algum tipo de conversação com os mestres e doutores em questão. Das trapalhadas (alheias) da Pós trato depois. Por hora, o que me irrita é gente que tenta a todo custo me atrapalhar, me tirar do foco! Sou eu aqui estudando (muito!) e o povo em volta criticando e achando sobre a vida alheia - no caso, a minha: "Mas ô Vivi. por que é que você estuda tanto? Olha o dia lindo que 'tá lá fora..." Humm... coice encomendado é coice dado: "Eu estudo assim, minha santa, porque cresci e não fiquei peituda nem 'rabuda' assim que nem tu... cada um vence na vida com o que tem de melhor: eu só tenho o meu cérebro!"

Tem base um negócio desse?

13 coisas sobre relacionamentos

quinta-feira, 7 de julho de 2011

#tem_q_v_issaí...

quarta-feira, 6 de julho de 2011

TDAH - mode "off"

Escrevi dias atrás espécie de relatório do meu status neurológico: caos total! Rotação máxima por minuto. Juntamente, postei previsão certeira do que aconteceria logo que passasse aquela euforia toda, aqueles arroubos químicos que de tempos em tempos me assolam feito catástrofe climática.

Pois bem, aconteceu o previsto revisto pela enésima vez: esgotamento de ideias e forças. É incrível mas a mesma fonte de onde jorravam planos mirabolantes há alguns dias, hoje sai nada - seca, só o pó! Pra quem não compreende fica parecendo "frescura" ou excentricidade... Não é!

Me sinto vazia hoje. Queria criar mas não sai nada. Queria escrever mas não me vêm palavras. Queria desenhar mas as imagens sumiram da minha mente - todas, todas...

(...)

Depois do caos: o caos e o vazio.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Tô cansada, mano...


Mais uma do caracol! Tenho outras prontinhas mas preciso de tempo pra digitalizar...

Sejam bem-vindos!

Mi casa, su casa...
 
Copyright 2009 Viviane Zion. Powered by Blogger
Blogger Templates created by Deluxe Templates
Wordpress by Wpthemescreator
Download Royalty free images without registering at Pixmac.com